Conceito de Educador@ Social - Fala do professor César Nunes


Convidado a falar, na abertura da Oficina de Práticas Pedagógicas para Educadores Sociais,
dia 8 de abril de 2010, no CIS Guanabara,
o Professor César Nunes
nos presenteou com esta reflexão acerca do conceito de educador social


    Eu sou educador, estou nesta estrada há muitos anos e lembro que o conceito de educador tem dois eixos: o educador no sentido lato e o educador no sentido estrito. O educador no sentido lato, no sentido abrangente, a tradução da palavra educação é a produção social do homem para viver em sociedade.
    No sentido estrito educação é transmissão formal dos conhecimentos. No sentido lato, educação é endoculturação; quem gosta de uma fruta brasileira chamada abacate, tem um caroço dentro que os biólogos chamam de endocarpo - semente interna - endo quer dizer interno, semente interna.
    Endoculturar quer dizer trazer para dentro da cultura, particularmente aqueles que não foram entronizados pelos rituais tradicionais: a família e a escola. Trazer para dentro da cultura. Então o educador social existiu desde que a humanidade, um ajudou o outro, é a mais antiga das profissões, quando um homem fala com o outro, orienta, existe um educador social.
    O educador escolar foi invenção da humanidade lá na grécia, ele tem 2500 anos - a Escola - só. O educador social tem 30000 anos, desde o homo sapiens sapiens.
    O educador escolar é pago pelo Estado ou setor privada para cumprir uma função social, a escolarização, mas o educador social é da natureza da humanidade. Por isso eu diria que o educador social tem que transmitir os constituintes humanos, a linguagem, os valores, os comportamentos socialmente requeridos, a consciência, a cidadania e ao mesmo tempo os constituintes da educação popular, a solidariedade, a disposição coletiva; e por isso a educação social tem que ser contraponto à educação escolar.
    Eu, particularmente, me colocaria contra o reconhecimento de profissão, pedagogia social, isso é burocratizar, é o capitalismo transformar tudo outra vez. O educador social tem que ter habilidades, reconhecimento, mas seu lugar é a lida, é a sociedade, é a fissura da sociedade capitalista, não é o banco escolar, não é a mesma formatação, esse movimento burocratizador é um movimento que nos amortece, pega uma águia e tira as garras e tira o bico e transforma tudo em galinhas do sistema, o educador social age na contradição, ele tem que ter conhecimento científico, tem que ter habilitação, mas a sua legitimação é a luta social, não é a chancela de 40 x 20 do diploma na parede. E é aí que eu luto com vocês [para] que a universidade reconheça este processo. Desejo dois dias de fundamentação teórica, porque se a gente não tiver fundamentação teórica, nós não conseguiremos enfrentar os movimentos do capitalismo.
    Conhecimento, conhecimento que liberta, não que deixa as pessoas mais orgulhosas; conhecimento que humaniza, conhecimento que combate, é esse conhecimento que precisamos; vocês estão aqui para se apropriar do conhecimento, para trocar experiências, para serem mais ainda guerreiros, militantes e utopistas e sem a contradição, de modo que cada dia que vocês entrarem na câmara, as pessoas se assustem: "ih, tem um educador social aí..."; ao entrarem na Unicamp: "ih, tem gente perigosa aí"... porque nós estamos do outro lado, essa é a nossa marca; não é a chancela burocrática do sistema. Não é... e não pode ser.
    Na Espanha houve um movimento pela graduação, mas na Espanha houve um movimento anarquista de não aceitação da graduação: que a legitimação seja na sociedade, nos movimentos sociais. Em Portugal, ele não se chama educador social, chama-se animador social porque o "educador" já entrou no sistema e o animador ainda não. É uma luta titânica contra a burocratização.
    Conheçam, pensem bem; nenhum vento pode ser a favor de quem não sabe para onde vai; tracem um rumo nas fissuras da sociedade, onde a chaga está aberta, até que um dia, numa sociedade socialista, popular e democrática, radicalmente, nós não precisemos mais de educadores sociais, mas enquanto existir o capitalismo, nós estaremos lá. Tenham um bom dia e uma boa reflexão.